Sucesso do Brasil depende da rapidez na adoção de tecnologia, diz CEO da Microsoft em passagem pelo país

Compartilhe:
RSS
Facebook
LinkedIn
Instagram
Twitter
Follow by Email

O Brasil deve continuar investindo em tecnologia para buscar eficiência e fazer com que a economia cresça. A leitura é de Satya Nadella, CEO da Microsoft, que fez uma apresentação em São Paulo para a abertura do Microsoft AI+ Tour, evento sobre inteligência artificial da Microsoft. Esta foi a primeira edição realizada no Brasil do evento, que já passou por outros países da América Latina antes.

No palco, Nadella exaltou as possibilidades que a adoção em larga escala de tecnologia e inteligência artificial pode trazer à sociedade e à economia. Mas não deixou de fazer alertas sobre o assunto, passando pela importância do preparo de crianças para o mercado de trabalho do futuro.

À frente da empresa desde 2014, Nadella liderou uma mudança no foco da companhia, que passou a dar mais atenção à computação em nuvem e ao desenvolvimento de IA. “Não celebramos tecnologia pela tecnologia. Mas sim o que é alcançado — seja um negócio mais produtivo, maior competitividade, ou impactos relevantes da tecnologia na saúde, economia e sociedades locais”, disse o CEO.

“Eu diria que, pela primeira vez, temos essa oportunidade de o computador estar embutido no mundo real”, afirmou usando como exemplos computadores em carros, indústrias, estádios — é a internet das coisas tomando forma no mundo real. “O que precisamos é de intensidade tecnológica. Isso se aplica a empresas, mas também a países. O sucesso do Brasil depende dessa fórmula: quão rápido toda instituição pode ter acesso à tecnologia.”

Intensidade tecnológica (ou tech intensity) é o novo jargão adotado pela companhia e por Satya Nadella. O termo quer dizer a adoção do que há de mais inovador para empresas, como a computação em nuvem e inteligência artificial — coincidentemente (ou não), os pilares da Microsoft atual. O uso desses recursos pode, afirma o CEO, mudar a economia de um país.

Ao falar sobre a nuvem da Microsoft, a Azure, Nadella a definiu como o “maior computador do mundo”. “Estamos construindo um tecido computacional com a Azure.”

Democratização

Qualquer conversa com CEOs e executivos do Vale do Silício inevitavelmente esbarra em “democratizar a tecnologia”. Com Nadella não é diferente. Por mais que haja um interesse comercial óbvio, os expoentes do Vale sabem que o futuro da economia e do trabalho estão diretamente ligados à educação digital e ao acesso ao conhecimento.

Para Nadella, a adoção em massa da inteligência artificial mudará a forma como trabalhamos. “Todas as tarefas terão a tecnologia como aliada. É assim que o próximo nível de eficiência chegará”, afirmou. “Toda revolução, toda mudança começa com equipar nossas pessoas com a melhor tecnologia.”

Nadella anunciou uma parceria com o Sesi e o Senai para oferecer, gratuitamente, cursos de inteligência artificial para seus estudantes. Assim, diz ele, estes estudantes poderão se preparar para os “empregos do futuro”.

“Temos de ter as habilidades necessárias no mercado”, diz. “Fazemos tudo para que habilidades com IA estejam disponíveis a todos.” Esse é o caminho, afirma, para a intensidade tecnológica.

No longo prazo, Satya acredita que veremos uma simplificação no uso da inteligência artificial— por mais que sua base continue a ser mais e mais complexa. “Daqui alguns anos, assim como hoje qualquer um pode construir um site em minutos, será possível que qualquer um construa ou utilize inteligência artificial.”

Fonte: https://epocanegocios.globo.com/Empresa/noticia/2019/02/sucesso-do-brasil-depende-da-rapidez-na-adocao-de-tecnologia-diz-ceo-da-microsoft-em-passagem-pelo-pais.html

Deixe uma resposta